RDA: Bibliografia Brasileira

 

O bibliotecário Fabrício Assumpção postou, em seu blog, uma bibliografia brasileira para leitura sobre a Resource Description and Access (RDA).
Se queres saber mais sobre o assunto, acesse a lista aqui!

Anúncios

Webinar “A biblioteca universitária e os novos instrumentos de avaliação (MEC/INEP)”

No dia 23/02, a bibliotecária e consultora Mirian Rocha apresentou o webinar A biblioteca universitária e os novos instrumentos de avaliação (MEC/INEP), abordando os  aspectos relacionados ao acervo das bibliotecas universitárias diante das mudanças contidas nos novos instrumentos, divulgados no final de 2017, pelo MEC/INEP, que serão usados na avaliação do ensino superior.

São eles:

Interessado em saber mais sobre o webinar, leia o resumo no blog “Mundo bibliotecário“.

Sugestão de leitura

Sugerimos a leitura do artigo O código RDA e a iniciativa BIBFRAME: tendências da representação da informação no domínio bibliográfico, publicado na revista Em Questão, volume 23, número 3, 2017.
De autoria de Luciana Candida da Silva, José Eduardo Santarem Segundo, Zaira Regina Zafalon e Plácida Leopoldina Ventura Amorim da Costa Santos, o artigo apresenta o código de catalogação RDA e a iniciativa BIBFRAME nos princípios gerais da catalogação.

 

 

 

Normas IFLA

A IFLA divulga novas normas em 2017:

 

Modelo de Referência da Biblioteca IFLA  IFLA Library Reference Model (LRM) : Trata-se de um modelo único que foi desenvolvido para resolver inconsistências entre os três modelos conceituais existentes: FRBR, FRAD, FRSAD. O LRM foi projetado para ser usado em ambientes de dados vinculados e para apoiar e promover o uso de dados bibliográficos nesses ambientes. Foi aprovado pelo Comitê de Padrões da IFLA, em agosto de 2017.

O documento está disponível em pdf para download, em inglês.

 

 

Declaração dos Princípios Internacionais de Catalogação (ICP) 2016 – Statement of International Cataloguing Principles (ICP) 2016 : Ter um conjunto comum de princípios de catalogação internacional ainda é necessário, já que os catalogadores e usuários do mundo usam catálogos online como sistemas de busca e descoberta. Esta edição leva em consideração as novas categorias de usuários, o ambiente de acesso aberto, a interoperabilidade e a acessibilidade dos dados, os recursos das ferramentas de descoberta e a mudança significativa do comportamento do usuário em geral.

Disponível em pdf para download em inglês, bem como sua tradução em espanhol.

 

Definição de PRESSoo: um modelo conceitual para informações bibliográficas relativas a seriais e outros recursos contínuosDefinition of PRESSoo: A conceptual model for Bibliographic Information Pertaining to Serials and Other Continuing Resources : PRESS OO é uma ontologia formal projetada para representar a informação bibliográfica sobre recursos contínuos e, mais especificamente, sobre publicações seriadas (revistas, jornais, etc.). O PRESSoo versão 1.0 foi submetido a uma revisão mundial em 2015. As respostas foram estudadas e as mudanças foram feitas à luz dessas respostas nesta versão 1.3.

Pode ser acessado em pdf, para download, na língua inglesa.

 

Definição de FRBRoo: um modelo conceitual de informação bibliográfica em formalismo orientado a objetos – Definition of FRBROO: A Conceptual Model for Bibliographic Information in Object-Oriented Formalism FRBROO é uma ontologia ou modelo conceitual de alto nível para dados bibliográficos. O modelo está intimamente relacionado com a família de modelos conceituais da FRBR da IFLA. É a versão orientada a objetos dos três modelos: FRBR, FRAD e FRSAD.

Documento disponível em pdf para download, em inglês.

Sugestão de leitura

ifla1-1

Está disponível a versão em língua portuguesa do guia da International Federation of Library Associations and Institutions (IFLA) para coleções de recursos eletrônicos em bibliotecas: Questões chave para o desenvolvimento de coleções de recursos eletrónicos: um guia para bibliotecas.

“O principal objetivo deste documento é despertar nos bibliotecários uma consciência em relação aos recursos eletrônicos enquanto novos documentos que fazem já parte das suas bibliotecas, dando algumas indicações para o desenvolvimento destas coleções digitais. Apresenta diversas questões que decorrem da constituição e armazenamento deste tipo de coleções”.

O documento pode ser consultado aqui.